Eu acredito

large

Sempre fui fã do Peter Pan. Gosto da ideia de crianças eternas, pedaços de terra e estrelas que dão pra um outro mundo. Prendo-me às histórias que falam de fantasias, ao mesmo tempo em que nos dão pistas para a realidade. O mundo de Peter Pan é cheio de poesia. Mas apesar do pó mágico, é preciso ter fé pra poder voar.

Vezenquando tenho a mania de comparar vida corrida com filmes de criança. As facilidades com que os pequenos vêem o mundo seriam bem-vindas em nosso cotidiano, se não me parecessem quase que impossíveis de serem alcançadas. Na bagunça em que vivo, sonhos não se mantém.

E nesse ritmo, torna-se difícil viver. Aproveitar, então, é loucura. E o pior é que as pessoas parecem não se importar. É fácil julgar o ar blasé que perambula entre rostos e conversas. Mas a verdade é que tem muita gente cansada. Pergunto-me o que farão para sair dessa inércia. São engolidas pelo tempo, sugadas pela sociedade.

E quanto a mim, sinto falta de poder voar no meu próprio quarto. Já não posso me entreter com imaginação. Talvez ela tende a se enferrujar com o tempo, de preocupações. A gente cresce, responsabilidades vêm, realidade assume.

Adormece a poesia do mundo.

Talvez fé também seja poesia.

A.

* Foto: Reprodução internet.

Da celebração do Hoje

2

Hoje eu resolvi acordar cedo. Joguei meus planos pro alto, e aproveitei esta manhã mais cheia de mim. Também decidi não tirar fotos, pois cada vez que o faço me distancio da realidade pra poder vivenciá-la depois. De memória.

Mas eu cansei dessas memórias. Cansei de mandar no tempo e controlar tudo o que não me cabe. Afinal eu, que tanto planejo, acabo me escondendo atrás da porta sempre que o amanhã insiste em bater. Já contei eternamente, até me perder nas minhas próprias contas.

Mas hoje, vou recuperar o que me escorre pelos dedos. Vou colher o amor dos que me amam em silêncio e me contentar com seus olhares, mais fiéis que os “eu te amos” da vida. Nesse caso, contento-me com os implícitos.

Vou aumentar o som e dançar no hall da casa. Já faz tempo que não me sentia assim, tão eu. Vou deixar as fotos, e admirar agora as curvas da minha saia enquanto giro, acordada.

Hoje, eu joguei meus planos pro alto. Os interessados, por favor, recolham os seus pedaços e o que sobrar, não se preocupe, amanhã eu os guardarei.

A.

* Foto: Reprodução internet.

TAG: The Liebster Award

liebster-award

É no dia 28 de fevereiro que o Canto em Silêncio completa um mês de criação, mas a felicidade é tanta que não posso esperar até esta data. Fui indicada pelo lindíssimo EntreLinhas & SubTextos para fazer o The Liebster Award, tag criada para divulgar novos e pequenos blogs. Sinto-me honradíssima em fazer parte desta iniciativa. Obrigada por me incluírem nessa!

Regras:

  1. Inserir no post a imagem com o selo Liebster Award.
  2. Escrever 11 fatos sobre você.
  3. Responder as perguntas de quem indicou a TAG.
  4. Indicar de 11 a 20 blogs com menos de 200 seguidores
  5. Fazer 11 perguntas para os blogs que você indicar.
  6. Linkar de volta quem te indicou!

11 coisas sobre mim:

  1. Adoro comédias românticas.
  2. Faço planos para tudo.
  3. Trato meus cachorros como se fossem crianças (ou é o contrário?)
  4. Sou família.
  5. Gosto de tudo que tenha a ver com céu.
  6. Sou indecisa.
  7. Minha cor preferida é azul.
  8. Tenho uma queda pelo Zac Efron.
  9. Assisto programas de culinária (mesmo sabendo que não vou cozinhar metade dos pratos que assisto na televisão).
  10. AMO decoração.
  11. Sou a ansiedade em pessoa.

11 perguntas para mim:

  1. Qual o post que você mais gosta do seu blog?

Gosto do post Do que se esperar pra viver. É um texto que expressa muito bem uma fase pela qual estou passando. Vi que algumas pessoas também gostaram dessa publicação, o que me mostra que não sou a única a me sentir assim. Não estou sozinha.

             2. Uma música que te inspira: Man in the mirror, do Michael Jackson ♥

             3. Algo que você não suporta nas outras pessoas: Mentira.

             4. Uma frase:

“Ensina-me a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos coração sábio.” (Sl 90.12)

             5. O que te deixa feliz? Olhares que falam coisas boas.

             6. Você assistiu algum filme nos últimos 5 dias? Qual? O Regresso.

             7. Quais seriam suas férias dos sonhos? 

Viajar com a família para o interior da Itália, com certeza!

            8. Viajar com um grupo de amigos ou só com uma pessoa? Com uma pessoa.

            9. Qual rede social você mais usa? Facebook.

            10. Qual sua comida favorita? Lasanha.

            11. Qual o melhor livro que você já leu? E o pior?

O melhor foi “O mundo pós-aniversário”, da Lionel Shriver. O pior foi “Adeus, por enquanto”, de Laurie Frankel.

11 perguntas aos blogs indicados:

  1. Por que você decidiu criar um blog?
  2. Uma palavra que te defina.
  3. Maior conquista da sua vida.
  4. Você é mais família ou mais amigos?
  5. Qual é o seu livro preferido?
  6. Uma pessoa que te inspira.
  7. Qual é o seu maior medo?
  8. Já chorou de alegria?
  9. O que você mais admira nas pessoas?
  10. Está assistindo alguma série? Qual?
  11. Um sonho.

Blogs indicados:

  1. Amor, Vida e Fé
  2. Gud Word
  3. Você é tocável pelo amor de Deus
  4. Alvor
  5. Onírico Autor
  6. Blog da Mary
  7. Eu, nós dois e todo mundo
  8. Você sempre bela
  9. A década errada
  10. Nicolecises
  11. Books and Birds

Milagres da mente

large (4)

Levantei cedo da cama. É dia de trabalho, de festa de família; estranho meu primeiro pensamento ser você. Por estas horas da manhã, já cheguei a ter certeza de que você vai notar minha ausência lá pras 10 da noite, hora em que você costumava me ligar. Pergunto-me, é verdade, se você também sente falta dessa rotina. Sem paixão. Só horários. Estúpida. Tanto eu, quanto a rotina.

Mas talvez você não esteja pra essas coisas, e nem chegue a pensar em tais bobagens. Você sempre achou que penso demais nas  essências desnecessárias. Nós dois sabemos que meus desvaneios, por vezes, nos confrontaram face a face. Sei que é nisso que você encontrou razão pra fugir.

Mas quer saber de uma novidade? Li notícia no jornal sobre mudança. Um estudo divulgado hoje mostra que nosso cérebro leva pelo menos 3 meses para adquirir um novo hábito. E mais: pra que ele se acostume e se “sinta seguro” com essa nova mudança, seriam necessários, em geral, de oito meses a um ano.

Sem essa coisa de coração. Sentimentalismos tolos não ganham destaque nas páginas dos jornais. Lá pra razão, é o cérebro que faz o milagre. Que esquece e faz seguir em frente. Fato.  Fiquei feliz com essa matéria. O corpo humano tem lá seus muitos encantos.

A.

* Foto: reprodução internet.

Da lista de fim de ano

5

Hoje eu decidi rasgar minha agenda. A lista com todos os meus planos pra 2016 já não significa nada.  Na virada de ano, todos olham para o céu, fazem pedidos, abraçam amigos. Cabeças erguidas que pensam ter a vida sob controle. Ah, se elas soubessem que não precisavam de tanto.

Típicas matérias de fim de ano mostram pessoas frustradas com o que não conseguiram. Quase nunca cumprimos todas as metas de nossa pequena lista, mas insistimos na ideia de que no próximo ano tentaremos de novo. Acreditamos que, desta vez, faremos dar certo.

Lembro-me que quando criança, costumava comprar chiclete pra tentar controlar minha ansiedade. Aprendi a almejar certos padrões de vida. Inundei-me da miragem dos “finais felizes”, mas me recusei a acreditar que as decepções, muitas das vezes, são mais dolorosas na realidade. Que louco é não poder controlar tudo isso.

Mas hoje eu descobri o milagre da mente. Podemos fazer o que quisermos, quando sabemos onde queremos estar. Não podemos projetar nosso futuro, mas podemos correr atrás daquilo que nos faz feliz, pelo menos no momento.

E nessa segunda semana de fevereiro, olho para o céu da varanda de casa. Através dos planos que vi serem destruídos, hoje admirei pela primeira vez a beleza do inesperado. O vulto do que vi na passagem de 2015 agora me parece opaco, quase que sem sentido. Acho que me confundi naquela noite tentando olhar para um céu de espetáculos.

Hoje, olho para o alto e vejo estrelas. Contento-me com os mistérios que elas já têm por natureza, sem serem ofuscadas por luzes e fogos de artifícios. Ainda é início de fevereiro, mas já larguei dessas bobagens.

A.

* Foto: Reprodução internet.